spot_img
spot_imgspot_img

Da moda à sustentabilidade: como vestir o planeta em constante transformação?

Armário cápsula, moda circular, moda sustentável, slow fashion, minimalismo, upcycling, reciclagem, patchwork, second-hand, cruelty-free… As muitas nomenclaturas que retratam a transformação na indústria da moda comprovam a conscientização dos consumidores e das empresas sobre o impacto ambiental e social da produção em massa. Nesse cenário, é fato que a moda sustentável tem muito para evoluir em um mercado promissor, buscando equilibrar a estética com a responsabilidade ambiental e social. Dados demostram como essa prática alcançou patamares comerciais sem precedentes nos últimos anos.

  • Segundo relatório da empresa de pesquisa Research and Markets, o crescimento mundial do setor passou de 6,3 bilhões de dólares em 2019 para 8,2 bilhões de dólares em 2023;
  • A empresa também prevê que esse número pode chegar a 15,2 bilhões de dólares até 2030;

Isso mostra que investir em sustentabilidade é bom para o meio ambiente e fundamental para o futuro da indústria da moda. Ou seja, essas novas práticas estão se destacando diante dos avanços e desafios enfrentados por esta indústria em constante evolução. Além disso, a nova geração de consumidores, mais conscientes e exigentes com seus hábitos, está por trás da motivação que levou a uma corrida de varejistas por práticas mais sustentáveis em seus negócios.

  • A Economist Intelligence Unit (EIU) aponta que as buscas na internet por produtos sustentáveis tiveram crescimento de 71% nos últimos cinco anos.
  • Considerando mais de 54 países, o estudo também aponta que, no Brasil, os posts nas redes sociais relacionados ao assunto aumentaram 82% no período analisado e o volume de notícias cresceu 60%.

Em meio a esta realidade, em um país que ocupa o quinto lugar entre os maiores produtores têxteis do mundo, segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, companhias brasileiras do varejo de moda estão intensificando suas iniciativas voltadas à sustentabilidade.

Segundo Valesca Sperb Lubnon, professora do curso de moda do Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), a moda tem se tornado mais sobre expressão pessoal e menos sobre seguir tendências passageiras, diante disso, o minimalismo surge como um caminho mais efetivo. “A chave para um armário cápsula bem-sucedido é a versatilidade e a qualidade das peças escolhidas. Ao adotar um guarda-roupa minimalista, as pessoas não apenas economizam tempo na hora de escolher o que vestir, mas também contribuem para um consumo mais consciente e sustentável, valorizando qualidade sobre quantidade”.

E neste contexto se destaca SENSIL®, marca de poliamida 6.6 premium sustentável da NILIT® para vestuário e acessórios, utilizada pelas principais marcas de moda do mundo comprometidas com performance, qualidade e que optam por adotar fios mais sustentáveis e ambientalmente responsáveis em sua linha de produção.

A NILIT® tem observado uma crescente demanda do mercado, e dos consumidores, por produtos de valor agregado e alta durabilidade, que já representa 20% de suas vendas na América Latina, em contrapartida aos 6% de três anos atrás.

SENSIL® atende às necessidades mais atuais da indústria têxtil e colabora para um mercado mais limpo por prolongar a vida útil das roupas, diminuindo a necessidade de adquirir novas o tempo todo. São peças que entregam maior durabilidade, não desbotam, evitam a formação das famosas ‘bolinhas’; são mais frescas; não apresentam encolhimento, consumindo menos fios; trazem tecidos com mais elasticidade e durabilidade; e oferecem menos desgaste, uma vez que são 15% mais resistente que outras disponíveis no mercado.

Além disso, a confecção de roupas que levam em consideração os critérios ESG (ambiental, social e de governança corporativa, em português) está pautando as decisões de compra de consumidores preocupados com os impactos para o meio ambiente. A poliamida premium sustentável SENSIL® é produzida com tecnologias e abordagens com base em três parâmetros ambientais: preservação da água, reciclagem e redução de resíduos e longevidade dos produtos.

Confira abaixo parâmetros apontados na edição de 2021 do Índice de Transparência da Moda Brasil, que fez uma análise de 50 grandes marcas e varejistas do mercado brasileiro, se nenhuma ação adicional for tomada na próxima década.

  • As emissões de gases do efeito estufa do setor, provavelmente, aumentarão para cerca de 2,7 bilhões de toneladas por ano até 2030.
  • O Índice revela ainda que os avanços na transparência de questões relacionadas ao meio ambiente, por exemplo, estão aquém do necessário.
  • Considerando 50 companhias avaliadas, a pontuação média geral atingiu 18%, o que representa um recuo de 3 pontos percentuais em relação ao levantamento feito em 2020.

Paulo De Biagi, Diretor Presidente e VP da NILIT para a América Latina, explica que o movimento dessas empresas está relacionado ao efeito geracional. Segundo De Biagi, a nova geração de consumidores pensa muito diferente nas escolhas de consumo e enxerga esta agenda como algo fundamental que vai se fortalecer, ainda mais, nos próximos anos. “Moda é extremamente pessoal, ligada a valores, convicções e visões de mundo que as pessoas têm. A nova geração é importante, pois vai determinar como a indústria se comportará no futuro”, afirma o executivo.

Publicações relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimas publicações